quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Mundano: graffiti papo reto

Graffiti da série São Paulo 100 Carroças
foto publicada n'O Estado de S. Paulo, 03/10/2010

Originário das ruas e tendo alcançado o status de arte, sendo exposto em galerias, integrando o acervo de museus e já totalmente assimilado pelo mercado, o graffiti deixou de ser apenas uma técnica e já pode ser compreendido como uma linguagem capaz de manifestar ações e propostas extremamente variadas. Pode-se dizer que, hoje em dia, o graffiti é uma das inúmeras linguagens contemporâneas que qualquer artista pode usar para "dar o seu recado" de modo pessoal segundo o proprio estilo e, principalmente, as intenções de cada um.
No caso do Mundano, o graffiti assume radicalmente suas raízes: social e participativo, seu trabalho se pauta pela ação política - no sentido amplo da palavra. Estas qualidades se apresentam com mais intensidade na série São Paulo 100 carroças, seus graffitis se apresentando como intervenções diretas na paisagem e na vida da cidade, claramente com o objetivo de questionar nossa habitual alienação com relação a temas que o artista julga importantes. Nas palavras do próprio artista:

"Meu objetivo é que os "carroceiros" (catadores de papel) sejam olhados pela sociedade como profissionais da reciclagem e sejam respeitados pelo árduo trabalho, porque eu vejo muito engravatado olhando torto e socando a buzina pra eles saírem da frente e chamando eles de vagabundos, quando eles estão reciclando o lixo que eles mesmos nem produzem."

Outra característica interessante a destacar nesta série de graffitis é a centralidade e a força da palavra, que carrega a essência da mensagem. Concisas e diretas - condição essencial para sua legibilidade em meio à profusão de informações e à velocidade com que circulamos pela cidade -,as frases criadas pelo artista cumprem integralmente seu objetivo de impactar quem quer que as leia.
A seguir, reproduzo algumas fotos dos graffitis da série, que pode ser acessada na íntegra pelo link disponibilizado pelo próprio Mundano no Flickr:



Uma última palavrinha: agradeço, mais uma vez, a amiga Clarice Villac, que me apresentou o trabalho do Mundano. Valeu, Clarice!

4 comentários:

Leyr disse...

Raul , primeiramente, obrigado pelo comentário no meu blog. Eu gosto muito de mostrar para os alunos o quanto a arte está inserida no contexto cotidiano das pessoas. Estas imagens dos carroceiros são muito legais e mostram isso com muita originalidade. O grafite tem essa característica ,ele une com muita facilidade o cotidiano à arte . Isto mostra o quanto estão enganadados aqueles que consideram a arte como algo hermético e para alguns poucos eleitos. O grafite mostra a vida na arte e arte na vida. logo, podemos definir o grafite como arte de primeira, pois contém em si um conceito fundamental da arte que é o de dialogar com a vida.Valeu!

Raul Motta disse...

Leyr,

assino embaixo do teu comentário. O graffiti é mesmo um gênero privilegiado para demonstrar esta relação umbilical entre "arte" e "vida" - no sentido de "cotidiano". E "cotidiano" não só como o que acontece "fora", mas também "dentro": a[s] subjetividade[s] de cada um, como cada um percebe, compreende e reflete o cotidiano.

Atuando como educadores, temos que ter em vista estas duas dimensões da arte: a "pesquisa de ponta" [as obras que abrem novos horizontes] e a capacidade de compartilhar estes conceitos com os estudantes... Não é fácil, mas vamos seguindo!

Abraços e bons caminhos pra ti...

disse...

Raul,ha algum tempo que você comentou no meu blog sobre minhas fotos - obrigada - e hoje eu vim parar aqui no teu blog, esse post especialmente me chamou a atenção, primeiro porque eu sempre gostei muito de graffiti é uma das minha preferidas formas de expressão, porque pode ser encontrada em todos os lugares e feitar por 'qualquer pessoa';e também porque a mensagem passada nas imagens é muito forte.
peço até licença para pegar algumas das imagens para fazer um comentário no meu blog.Obrigada
Parabéns pelo blog
http://bemeublog.blogspot.com

Prof. Raul Motta disse...

Oi, Bê!

Me lembro sim do seu blog e das suas fotos!

Você tem razão, o trabalho do Mundano é mesmo muito forte! Além disso, é mesmo muito original, pois bota o graffiti pra circular pela cidade, não é estático.

Fique à vontade para reproduzir a postagem, assim você vai contribuir para a arte do Mundano circular ainda mais!

Abraços e bons caminhos pra ti!